>

DOR 1

Autor:

Intérprete:

Júlio dos Santos Oliveira Jr.

Edílio Mattei Jr.

Nada é mais absoluto que a dor.

Mesmo a morte, o luto

E o mais desprendido amor.


A dor cega, tonteia, oprime,

Abate, desespera, enfraquece.

Contra ela não há time,

Ninguém jamais a esquece.


A dor é muda, surda e cega.

Pouco lhe importa a quem fere,

Tudo, a qualquer um, nega.

A dor iguala a todos,

Ricos, pobres, remediados.

Apodo dos apodos,

O pior de todos os legados.


Dores do corpo, dores da alma,

Dores crônicas, dores agudas,

A nenhuma delas acalma

Nem mesmo o grito de Judas.


Nada há maior na vida

Que curar uma dor,

Purgar uma ferida.







Voltar