>

DESERTO

Autor:

Intérprete:

Júlio dos Santos Oliveira Jr.

Júlio dos Santos Oliveira Jr.

Árido e seco,

Frio toda noite.

Teu amor é beco,

Dói como açoite.


Sangra minh'alma

E, cínica e fria,

Pedes-me calma,

Afinal, eu sabia.


Dê-me ao menos

Parte das sobras.

Chega a ser obsceno

O que me cobras.


Dê-me paz,

Entrega-me à morte.

Se não puderes, faz

De conta que foi a sorte.


Noites intermináveis,

Dias que não existem.

Vidas imprestáveis,

Desesperos que persistem.

Voltar