>

AMOR

Autor:

Intérprete:

Júlio dos Santos Oliveira Jr.

Júlio dos Santos Oliveira Jr.

Quem disse que o amor é cego?

Que o amor é surdo?

Pode até ser verdade, não nego,

Mas seria rematado absurdo.


Quem disse que ciúme é prova de amor?

Que quem ama não mata?

A estrada da vida, seja lá como for,

Não é feita só de ouro e prata.


Qual é o remédio para alma doente?

Para culpa latente?

Faça muito frio ou calor,

O antibiótico chama-se: amor.

Quem ama não morre, socorre.

Quem ama não fere, confere.

Quem ama não usa, recusa.

Quem ama não pede, cede.


O amor é cura,

O ódio é doença.

Quem o procura,

Faz jus à recompensa.


Ninguém sabe porque ama,

Já que o amor é dádiva divina.

Sem ele, melhor deitar-se à cama

E morrer devagarinho, em surdina.

Voltar