TANTOS

Autores:


Intérprete:

Júlio dos Santos Oliveira Jr.

Paulo D'Elia

Paulo D'Elia

Esses lábios de tantos sins,

Esses olhos de tantos nãos.

Me recordam os folhetins

Dos tantos amores vãos.


Esse corpo quente frio,

Esses ais tão fingidos.

Boa atriz de falso cio,

Tão pequenos os gemidos.


O amor é doença

Que não contagia.

E cuja presença

É de pouca valia.


Ninguém escolhe quem ama,

Ninguém escolhe amar.

Quando se acende a chama,

É impossível se afastar.


Se amar demais é tolice,

Porque ninguém ama de menos,

Quero saber quem disse

Que existem amores pequenos.

Voltar