CLIENTE

Autores:


Intérprete:

Júlio dos Santos Oliveira Jr.

Paulo D'Elia

Paulo D'Elia

Um mútuo fez meu cliente

E deixou de pagar.

Aborreceu o gerente

Que mandou protestar.


O banco propos execução,

Com garantia de penhora.

Ultimada a intimação,

Pediu juro de mora.


Aleguei carência de ação,

Que deveria ser monitória.

Pelo sim, pelo não,

A única escapatória.


O juiz abriu vista

Para manifestação.

Propos pagamento à vista,

Sem juros e correção.


Ele ia receber um dinheiro

E me pediu para adiantar.

Havia se tornado herdeiro

Grana não iria faltar.


Emprestei de bom grado,

De olho nos honorários.

Não que fosse abonado,

Mas são bons os inventários.


Homologado e pago o acordo,

Apresentei minha conta.

Nem era valor tão gordo,

Mas longe de pequena monta.


Agradeceu muito o trabalho,

Prometeu pagar no mês seguinte.

Meio duro, pra quebrar o galho,

Tomei empréstimo de vinte.


Isso faz já um ano.

Ele se mudou para Lisboa.

Fiquei só com o cano

E ele com a vida boa.

Voltar