CARINHO

Autores:


Intérprete:

Júlio dos Santos Oliveira Jr.

Paulo D'Elia

Paulo D'Elia

Gesto de carinho,

Borracha que apaga a dor.

Tão perto, tão vizinho

Do que costuma chamar-se amor.


Amor não se dá nem recebe,

O amor se troca.

Água que passarinho não bebe,

Só se empresta, loca.


Já o carinho,

Muito pelo contrário,

Como o bom moinho,

É sempre perdulário.


Nunca pensa em si,

Tão doce e benvindo.

Como o branco cambuci,

Tão puro, tão lindo.


Se há pecado original,

O carinho o redime.

O bem, ao invés do mal,

O perdão, ao invés do crime.


Gesto de carinho,

Borracha que apaga a dor.

Voltar